Depois de muita polémica a nível nacional sobre os quadros competitivos a aplicar na próxima temporada, eis que a solução foi encontrada, com uma temporada de transição no Campeonato de Portugal que contará com 92 equipas e na criação a partir da temporada 2021/22 da 3ª Liga.

Após esta decisão resta saber que efeitos trará para o futebol distrital.

Enquanto em outras Associações Distritais com foi publicado o regime a vigorar para a próxima temporada, com a maioria das associações a aplicar o regime de subidas sem que ocorram descidas aumentando de forma transitória o número de equipas nas competição, em Beja, pouco ou nada se sabe.

Certa, é a promoção do Moura AC ao Campeonato de Portugal, o que deixa desde já o “Distritalão” reduzido a 12 equipas, em virtude da manutenção do SCM Aljustrelense no mesmo campeonato.

Ao que parece antes da decisão da Federação Portuguesa de Futebol, esteve em cima da mesa a descida ou não do Piense SC ao segundo escalão do futebol distrital, para que na próxima temporada o campeonato fosse disputado por 14 equipas, subindo desta forma os lideres de cada uma das séries da 2ª Divisão Distrital.

Contudo após a subida do Moura AC, esta situação pareceu cair um pouco no esquecimento com o CF União Serpense e GDCR Naverredondense a aguardarem o convite a ascensão ao “Distritalão”.

Quem parece estar também em alerta são as formação do CDR Salvadense, Negrilhos FC, FC Albernoense e GD Messejanense (este último ainda não tinha garantido a qualificação para a fase final), que tinham as espetativas de vir a lutar pela subida ao escalão maior da Associação de Futebol de Beja.

Resta agora aguardar pela decisão da Associação de Futebol de Beja, esperamos para o bem dos clubes em breve, sobre esta situação.