O “DistritalBeja” viajou até à Vila de Amareleja, onde esteve à conversa com Johnny Santos, guarda-redes de 27 anos, que nas últimas duas temporadas defendeu as cores do Barrancos FC, depois de seis temporadas ao serviço do GD Amarelejense, cinco das quais na condição de sénior.

Fique em seguida a conhecer o percurso de Johnny Santos.

DISTRITALBEJA (DB) – Antes de mais agradecer por ter aceitado o convite. Fale-nos um pouco sobre o seu percurso no futebol.
JOHNNY SANTOS (JS) – O meu percurso no futebol já leva 22 anos. Comecei com 5 anos na Suíça, onde nasci, e tive lá até aos 10. No CS Chênois, um clube na cidade de Genève. Depois em 2003 os meus pais mudaram-se para Portugal e eu e os meus irmãos também, claro. Logo nesse ano joguei no G.D.Amarelejense. Depois em 2004/2005 fui para o Moura A.C. onde fiz a maior parte do meu percurso nas camadas jovens, dos infantis até aos juniores. Em 2010/2011 foi a minha última época por lá, devido a ter entrado na Universidade de Évora. Esses anos foram especiais porque foi uma fornada de grande atletas que o MAC teve, e que ainda hoje estão nas distritais ou no Campeonato de Portugal. Marco Castelhano, Jorge Raposo, Tiago Floreano, Duarte Galego, Diogo Macarrão, Eduardo Estrela, Gonçalo Marta são alguns dos nomes que me vêm agora à cabeça e que ainda estão no activo. Conquistámos coisas bonitas e atingimos muitos objectivos. Depois em 2011/2012 fiz a última época de juniores no G.D.Amarelejense e por cá fiquei até 2018. Transferi-me, nesse ano, para o Barrancos F.C. e esta é a segunda época que lá estou. Agora com 27 anos já não penso sair das redondezas. Por agora pelo menos.

(DB) Que balanço faz da temporada 2019/20 até ao momento da sua interrupção devido ao COVID-19? Os objetivos da temporada estavam a ser atingidos, quer a nível de clube quer a nível pessoal?
(JS) – A época em relação aos clubes que não seguiriam para a fase de subida estava praticamente decidida. Talvez pudesse haver alteração de um lugar ou outro, pois faltava apenas 1 jornada. Quem ficou mais prejudicado com esta pandemia foram as 6 equipas que iriam disputar a 2°fase. Não será caso único, pois deve haver muitos campeonatos em Portugal ou por muitos países, em que a situação será parecida. No meu ponto de vista só veio ‘beneficiar’ as equipas que estavam para descer, seja em que prova for. Mas pronto, são decisões que são tomadas e há que respeitar. O segundo ponto da questão é muito simples: os nossos objectivos não foram atingidos. Ambicionavamos mais, tentámos trabalhar para mais. Mas infelizmente não conseguimos. A meio da época ainda conseguimos recuperar muitos pontos quando todos pensavam que o Barrancos F.C. já estava “arrumado”. Mas depois nos jogos em que já não podíamos escorregar, perdemos pontos e caímos bem na tabela classificativa. A nível pessoal tive bons momentos na época e outros menos bons, também derivado à forma física com que abordei esta temporada. Infelizmente, temos alturas em que por qualquer motivo, seja profissional ou pessoal, não te sentes física e psicologicamente bem em certos aspectos. Todos temos altos e baixos, mas temos de lidar com esses momentos e não baixar os braços, pois o futebol nas distritais é para quem realmente gosta do que faz. É puro e tem de ser visto como divertimento e como o “tempinho” para nos distrairmos do resto. Depois do dia de trabalho, ir para o treino é a única coisa que nos faz “NÃO IR” para casa descansar.

js3

(DB) – Depois de tantos anos no Amarelejense, como está a ser a experiência no Barrancos F.C.?
(JS) – A minha experiência no BFC está a ser positiva. Fui muito bem recebido por todos. Direção, atletas, equipas técnicas, staff… mas o que mais me surpreendeu foram duas pessoas. O Presidente do clube, Filipe Charrama. E o roupeiro, o ‘Félix’. O Charrama é uma pessoa que faz 25 horas por dia no clube. Esteja na sala da direção, esteja em casa, no trabalho, esteja no estádio ou não, sei que o pensamento dele está sempre no Barrancos Futebol Clube. Ele dá tudo o que pode pela instituição. É genuíno. E principalmente, é sincero. Infelizmente as pessoas nunca dão o merecido valor quando estamos a frente destas instituições culturais, mas é assim aqui e na China. O presidente é uma pessoa que gostei muito de conhecer. Um amigo. Todos os clubes deviam ter presidentes assim. É uma máquina. O Félix, é roupeiro há mais de 30 anos naquele campo. Se vos disser que aquele homem vai ao campo há 1 da manhã para tirar uma máquina de roupa, acreditam? Pois acreditem. Ele está lá 7 dias da semana. Todos os dias, lá está ele a tratar dos equipamentos de treino, toalhas, equipamentos de jogo, a varrer os balneários, etc etc. Sei que ele gosta do que faz e por isso o torna uma pessoa tão especial. Temos todos um carinho especial por ele. Um abraço aos dois.

(DB) Como está a viver este momento de dificuldade?
(JS) – Com muitas saudades da bola. Muitas saudades de apanhar chuva, de aos sábados ter jogo, não poder sair com os amigos à sexta… tenho saudades disso tudo. Faz falta isso tudo. Mas sei que todos estamos a passar pelo mesmo, e certamente irá valer a pena. Estamos todos no mesmo barco, não é?

JS2

(DB) Na sua opinião qual a solução a aplicar neste momento a nível distrital para a ultrapassagem do momento a nível desportivo.
(JS) – Segundo sei, as competições amadoras já foram todas dadas por terminadas. Seja qual for a decisão só temos que respeitar, porque vejamos: iria ser sempre injusto para alguém, fosse qual fosse a decisão tomada. Alguém irá sempre sair a perder. Um exemplo prático, mesmo sendo a nível profissional – o Porto ser considerado campeão, a meu ver é injusto porque o Benfica está a 1 ponto apenas e ainda faltavam muitos pontos em disputa. Mas… como não dar o campeonato ao Liverpool? Uma equipa que leva 20 e tal pontos, uma equipa que merece e que há vários anos que não vence a Premier League!? É como digo, são decisões difíceis de tomar por parte dos dirigentes das associações ou das federações, a nivel global. Temos de tantar respeitar porque não é fácil.

(DB) Deixe uma mensagem a todos os seguidores do “DistritalBeja”.
(JS) – antes de mais agradecer ao “DistritalBeja” pelo convite. É muito importante para o distrito que iniciativas como estas se mantenham firmes e que existam apoios para que não desapareçam. Já acompanho esta página há vários anos e espero que continuem com o excelente trabalho. Para os seguidores, dizer que o nosso futebol distrital é tão especial, que tal como apoiam esta página e seguem este trabalho, desloquem-se também aos estádios para ver de perto as nossas equipas do distrito. Temos, infelizmente, uma falta de espetadores assustadora no futebol sénior. Muito Obrigado. Vemo-nos por aí.
Johnny #93

Resposta Rápida
Clube Favorito: Sporting Clube de Portugal
Jogador Favorito: Cristiano Ronaldo
Qual o momento mais feliz vivido no desporto: Todas as conquistas, mas as mais importantes foram as amizades que o futebol me trouxe.