O “DistritalBeja” continua no concelho de Ferreira do Alentejo e esteve à conversa com o técnico da equipa sub15 do Sporting Clube Ferreirense, Rui Marques de 28 anos.

O treinador natural de Castro Verde, que conta com passagens por Vitória FC e Despertar SC, orientou os jovens do Ferreirense ao 1º lugar na Série B da 1ª fase do Campeonato Distrital de Iniciados.

Fique a conhecer um pouco mais sobre Rui Marques.

DISTRITALBEJA (DB) – Antes de mais agradecer por ter aceitado o convite. Fale-nos um pouco sobre o seu percurso enquanto treinador de futebol e o porquê de ingressar nesta função?
RUI MARQUES (RM) –
Obrigado eu pelo convite. O futebol sempre ocupou muito do meu tempo desde muito novo, por isso não foi difícil decidir que gostava de aprender mais e de explorar outras áreas de interferência no jogo. Assim que tive oportunidade decidi inscrever-me no curso de treinador e ao longo deste período tenho essencialmente melhorado a minha visão e a minha ideia sobre o futebol, estamos sempre a aprender e a tentar inovar. O treinador é aquele que pode ajudar os seus jogadores a evoluir e deixá-los mais perto do sucesso ou do insucesso e isso entusiasma-me porque gosto de desafios.
Enquanto treinador fiz estágio no Vitória de Setúbal onde fomos campeões distritais de sub-13 pela AF Setúbal, passei pelo Despertar SC no Campeonato Nacional de Iniciados e agora estou há um ano e meio no Sporting Clube Ferreirense em Ferreira do Alentejo, onde terminei a época 18/19 nos Infantis e fiz esta época nos Iniciados.

(DB) – Que balanço faz da temporada 2019/20 até ao momento da sua interrupção devido ao COVID-19? Os objetivos da temporada estavam a ser atingidos?
(RM) –
Para nós foi uma época fantástica, que em virtude do momento que vivemos não irá ficar registada mas para nós irá certamente ser relembrada. É um momento delicado para falar sobre objetivos quando é a saúde de todos nós que está em jogo mas nunca o escondemos, o objectivo era chegar ao Campeonato Nacional de Iniciados e acredito que iríamos conseguir até porque na nossa série nenhuma equipa nos conseguiu vencer.
A questão é que para vencermos precisamos de ter saúde primeiro, aliás para tudo na vida a saúde deve estar em primeiro lugar e neste momento vencermos este vírus será a maior vitória para todos nós.

(DB) – Como está a viver este momento de dificuldade?
(RM) –
Da mesma forma que vivemos quando estamos inseridos numa competição, é dia-a-dia, momento a momento. Não sabemos as proporções que isto pode atingir, apenas temos de fazer o nosso melhor a cada dia e neste momento o nosso melhor é ficarmos em casa, parece um contra-senso mas é a melhor forma de vencer esta batalha.
A mim neste momento ainda me compete trabalhar também, tento fazê-lo garantindo a máxima segurança para mim e para os que diariamente convivem comigo.

(DB) – Na sua opinião qual a solução a aplicar neste momento a nível distrital para a ultrapassagem do momento a nível desportivo.
(RM) –
Eu penso que as medidas a aplicar tem sido aplicadas e de forma correta. Assistimos ao cancelamento de todas as provas e devemos proteger-nos para podermos repensar o futuro. No início da época quando comecei a treinar estes meninos, comprometi-me que os iria treinar até ao final da época (mês de maio) e assim será. Através de uma plataforma online tem sido possível enviar lhes treinos para que realizem em casa, ter acesso a informação dada por eles após os treinos e todos os dias de manhã quando acordam, como o nível de fadiga que sentem, o humor, a qualidade do sono ou o seu cansaço.
Não os treino como queria treinar (no campo) mas é aquilo que neste momento lhes consigo proporcionar.

(DB) – Qual foi o melhor momento que vivenciou na sua carreira de treinador?
(RM) –
Quando vencemos uma competição esse dia não se esquece e é sem dúvida um momento que nunca mais esquecemos mas eu dou muito valor “à palavra”. Se o que dizemos condiz com o que fazemos e sem dúvida alguma que o melhor momento, ou os melhores momentos são os dias em que acontece algo que de certa forma faz com que aquilo que tinhas dito antes, aconteça.
Por isso, os melhores momentos talvez sejam “o concretizar da palavra”

(DB) – Deixe uma mensagem a todos os seguidores do “DistritalBeja”.
(RM) – Neste momento a mensagem é pedir que todos sejamos racionais e façamos a nossa parte de forma a ajudar os profissionais de saúde que estão na chamada linha da frente a dar o “corpo as balas”. Eles merecem o nosso maior respeito.
Como disse antes será dia-a-dia, momento a momento e no fim venceremos todos !