Missão cumprida: candidatos assumidos ao título distrital de 2019-2020, os juniores do Praia de Milfontes garantiram a vitória no campeonato da categoria da Associação de Futebol de Beja no passado dia 29 de Fevereiro. Um título celebrado pelos jovens jogadores de Vila Nova de Milfontes depois de derrotarem, no Campo Foz do Mira, a formação do Moura AC (4-0) e que já estava na sua “mira”.
“Não vale a pena estar a dizer que [este título] foi uma surpresa, porque era o que a gente queria. Analisando o campeonato, e porque não tínhamos o Despertar (que é sempre um candidato a subir quando está no distrital), pensámos que este ano poderia ser a nossa vez e que tínhamos condições para sermos campeões”, revela ao “SW” o técnico Sérgio Conceição, de 43 anos.
De acordo com o treinador do Praia, a história deste título começou a ser escrita na última temporada, quando o emblema de Vila Nova de Milfontes conseguiu juntar na equipa aqueles que considerava serem os melhores jogadores do concelho de Odemira neste escalão. “Depois foi ver se dava frutos… E foi o que aconteceu”, nota Sérgio Conceição.
Ao longo da temporada, o técnico contou com o apoio “imprescindível” do seu adjunto, António Figueira, e também de Rui Leandro, director do clube. Aos três juntou-se a “atitude” e a “coesão” dos jogadores, que sempre se mostraram empenhados semana após semana.
“Às vezes falava com colegas de outras equipas, que treinavam com 12, 13 miúdos… E nós tínhamos 18, 19 por treino, nunca deram problemas em termos de treinos ou de jogos. E depois foi a sua atitude, o seu querer” que conduziu ao título, afiança Sérgio Conceição.
Concluído o campeonato distrital (e garantido o título), o técnico ainda não pensar na próxima temporada, no campeonato nacional da categoria. “Isso cabe mais à Direção”, sublinha Sérgio Conceição, antevendo que 2020-2021 seja uma “época complicada para o Praia de Milfontes”. “Vai ter juvenis na 2ª divisão nacional, juniores no nacional, talvez a equipa feminina no nacional… Vai ser uma época que vai exigir muita preparação”, advoga.


Fonte:  http://www.jornalsudoeste.com/