Com uma boa assistência no Complexo Desportivo em Almodôvar, o Milfontes deu mais um passo na tentativa de chegar ao fim deste Distritalão e finalmente tentar a subida de divisão. A equipa forasteira apresentou-se em Almodôvar com a lição bem estudada. Com a disposição dos seus jogadores no terreno de forma a tentarem cortar os rapidos ataques que têm sido a imagem de marca do CD Almodôvar esta época, o Praia de Milfontes, com uma equipa madura, constituida por jogadores de qualidade e com muitos anos de futebol deram uma lição de controlo de jogo. Mesmo não jogando um futebol bonito, os forasteiros dominaram praticamente todo o jogo, aumentando a sua velocidade ou congelando a bola conforme a sua conveniência.
Com uma entrada mais forte, a equipa da casa ainda tentou assustar os forasteiros mas o primeiro golo aos 17 min de jogo, que Rui Sousa concluiu com um bonito chapéu a Marco Hortense após uma jogada à linha por Mico, depressa disse qual a equipa que estava por cima. O CD Almodôvar criou uma oportunidade de golo logo no minuto seguinte por Saleiro que desperdiça à boca da baliza uma boa jogada sua equipa. Foi o canto do cisne da equipa caseira pois o Milfontes não mais permitiu quaisquer outras oportunidades. O segundo golo surge ao minuto 45 da primeira parte, marcado por Mico, mais uma vez com uma aceleração nas costas da defesa adversária bateu sem dificuldades o guardião da equipa caseira, o momento do jogo, pois ao ir para o intervalo a ganhar por 2-0, pôde gerir a seu belo prazer a segunda parte.
Segunda parte, praticamente sem história, com o Milfontes a controlar por completo a partida, apesar da voluntariedade dos jovens de Almodôvar que muito profiaram para tentar o tento de honra, golo que surgiu mas para o conjunto forasteiro aos 83 min num grande remate de Gandarez fora da área.
Resultado justo, num jogo agradavel, onde por parte do Almodôvar André Gaio foi o que mais se destacou, apesar de uns furos abaixo do que já apresentou esta época e onde Mico foi a grande figura da partida com um golo e uma assistência.
O arbitro Rui Sezifredo, coadjuvado por Marco Guerreiro e Bruno Duarte, fez uma arbitragem razoavel, com alguns erros, podia ter mostrado mais um ou otro cartão amarelo aos forasteiros por algum abuso nas faltas mas sem qualquer influência no resultado.